Produtividade

A Procrastinação está acabando com a sua vida. Como resolver esse terrível problema?

“Parar de enrolar e terminar a droga do trabalho”.

Soa simples, mas como você tem percebido, estamos sendo derrotados.

A procrastinação virou uma doença altamente contagiosa e cada vez mais conveniente.

Conveniente porque a culpa não é mais nossa. Tudo bem perder mais da metade do seu dia vendo vídeos engraçados de lontras. A culpa é da tal procrastinação.

E eu não te julgo se você já tiver mudado de aba algumas vezes. Acontece.

Só que acontece tanto durante o nosso dia que a maioria das pessoas perde pelo menos 80% do seu tempo apenas enrolando.

Já pensou?

Ao invés de viver de verdade, estamos apenas encontrando formas de passar o tempo.

E pode não doer agora, mas alguma hora a ficha vai cair.

Quantas vezes eu já não mergulhei em culpa por estar deixando meus sonhos e projetos de lado?

Eu sei bem como é essa sensação. O estresse, o desânimo, a sensação de que a vida está estagnada.

Justamente por isso, estou criando este guia para que você entenda e elimine a procrastinação de vez da sua vida.

Continue lendo para:

Está gostando? Então compartilhe o guia com os seus amigos enroladores para que vocês possam trabalhar juntos em cima deste grande mal.

…..

Afinal, o que é a Procrastinação?

“Não deixes para amanhã ou depois de amanhã, pois o homem negligente no trabalho não enche o celeiro, nem aquele que o adia; a canseira ajuda o teu trabalho, mas o homem que adia as coisas sempre luta com a ruína”
-Hesiodo

Quando eu era adolescente, tímido e cheio de inseguranças, gostar de uma menina era uma tortura.

Estar apaixonado, mas sem nunca expressar o seu amor. Poético ou patético?

Lembro de um dia em que estávamos sozinhos vendo o pôr do Sol. Pensei: “É agora!”, mas não foi.

Eu deixei para depois, pois milhões de motivos surgiram para que eu não fizesse nada.

-Talvez aquele não fosse o momento ideal.
-E se der errado?
-O que eu falo?

Então o momento passou e eu mudei de assunto.

Gosto de pensar que existe uma linha tênue entre a procrastinação e o amor platônico.

A falta de coragem e a sensação de que está tudo bem adiar aquilo que você precisa fazer.

Perder oportunidades, sonhos e até amores.

A sensação de derrota e culpa depois que você simplesmente não agiu.

Podemos dizer que procrastinar é a arte de enrolar, mas por trás disso, algo muito profundo está acontecendo.

Perceba: uma coisa é você deixar a louça para lavar mais tarde.

Outra é você nunca terminar o seu TCC, pois você preferiu ficar assistindo Friends (pela oitava vez).

Quando a procrastinação se torna um hábito e começa a atrapalhar o progresso da nossa vida, é hora de aceitar que ela também é um problema sério a ser tratado.

Um problema racional ou emocional?

O ato de tomar decisões erradas possui um nome científico popular: burrice.

Entretanto, meus amigos, quando se trata de procrastinação, não podemos colocar a culpa na razão.

Um procrastinador sabe bem o que está fazendo.

É óbvio que ir para academia hoje é a melhor escolha para o meu futuro.

É óbvio que terminar o artigo logo iria me livrar de várias dores de cabeça.

E por isso que nomes reconhecidos da área, como os psicólogos Joseph Ferrari e Timothy Pychyl, nos dizem que o problema da procrastinação é emocional.

Nossas escolhas se baseiam muito no benefício próprio e no prazer recebido.

Como não temos conexão alguma com o nosso estado futuro, acabamos querendo tudo para agora.

Não importa se você vai ter saúde e disposição daqui seis meses. O prazer de comer uma tigela de sorvete de flocos em um dia quente sempre vai falar mais alto.

Acima de tudo, nos tornamos grandes mentirosos para aceitar melhor as nossas escolhas.

Falamos coisas como:

  • É só hoje.
  • Só mais um episódio não vai fazer mal algum.
  • Verificar as notícias é muito importante.

Tudo isso para diminuir o peso das inutilidades que fazemos.

Em contrapeso, criamos uma visão otimista de que tudo dará certo no fim das contas.

Mas será que vai dar tudo certo mesmo?

 

pexels-photo-28462

Por que Procrastinamos?

Eu tinha uns dezesseis anos quando pediram para ler Dom Casmurro na escola.

E eu, como todos os outros jovens preguiçosos, acabei lendo o resumo.

Era “impossível” me manter focado na leitura e, depois de duas páginas, já tinha desistido.

Desculpe, eu sei que errei.

Mas para mim o livro era uma coisa desinteressante que me forçavam ler.

Entretanto, ainda aos dezesseis, eu tinha devorado a trilogia do Senhor dos Anéis. Lia cerca de duzentas páginas por dia com foco total, não deixando que nada me atrapalhasse.

Anos depois, quando me interessei pela Procrastinação, comecei a reparar nas diferenças entre as situações que me levavam a ter foco ou não.

Afinal, porque algumas coisas nos deixam presas, enquanto que outras fazem com que nos dispersemos?

Vamos analisar alguns elementos básicos que podem fazer a diferença:

1. Preferimos tarefas divertidas

É verdade que é mais fácil se focar em coisas divertidas, desenvolvidas para nos entreter?

Talvez.

Se você se sentir bem durante a atividade, é capaz que consiga ficar completamente concentrado.

Mas afinal, o que define a diversão?

Segundo os estudos na área de Gamificação, são diversos os componentes que podem tornar uma atividade divertida: competição, pontuação, desafio, progressão, etc.

Isto significa que, embora fazer um TCC não pareça nada divertido, você pode tornar o processo mais amigável e menos propenso a procrastinação.

Que tal adicionar pontuação para as suas metas, competir com os seus colegas ou fazer apostas em cima do que você precisa fazer?

2. A dificuldade influencia o foco?

Uma tarefa difícil é mais propensa à procrastinação, certo?

Errado!

Muitas tarefas são tão fáceis que nos deixam entediados, removendo assim toda a diversão e interesse pela atividade.

Algumas atividades são tão difíceis que ficamos completamente focados.

Já em outras situações, a dificuldade gera medo de falhar.

O segredo é criar tarefas não tão fáceis e nem tão difíceis assim. Fique atento para cada tipo de situação e aquilo que você está sentindo: medo ou tédio?

E caso sejam atividades repetitivas, simples e mecânicas, a solução é dar algum significado ao seu esforço, algo que falaremos melhor à seguir.

3. Por que você está fazendo isso?

Qual o propósito daquilo que você está fazendo?

Quando enxergamos um motivo para as nossas ações, tudo fica mais fácil.

Fazer algo desmotivado é a chave para cair na procrastinação.

Mas não se engane! Muitas vezes nós procrastinamos em tarefas essenciais para a nossa vida, como no estudo ou no trabalho.

O motivo disso é que quando damos muita importância para algo, também estamos aumentando as nossas expectativas.

A dor por fracassar em algo importante é muito grande, então evitamos sequer tentar.

“Preferimos falhar por preguiça do que por falta de talento”

4. Seus objetivos são objetivos?

Um dos erros mais comuns dos procrastinadores é não saber o que devem fazer.

Como Tim Ferriss diz: é importante definir tarefas que descrevam ações exatas.

Por muitos meses a minha tarefa foi “Escrever um livro”, então eu ligava o computador e esperava a mágica acontecer.

Este é o nosso maior erro! O que significa escrever um livro? É um livro sobre o quê? Como devo agir neste primeiro dia de ação?

Então eu transformei este grande objetivo abstrato e nebuloso em pequenas tarefas bem diretas.

Dia 1: Criar 3 personagens com nome, personalidade e alguma breve história.

Dia 2: Pensar em pelo menos 5 enredos básicos para que a história se desenvolva.

Dia 3: e por aí vai.

E você pode ser ainda mais concreto naquilo que quer fazer.

Defina exatamente o que, como e por que você fará o que precisa fazer. Não deixe para que seu cérebro se perca durante o processo.

 

pexels-photo-52608

Os Problemas da Procrastinação

O que começa com um simples “amanhã eu faço” pode se tornar um problema crônico.

Acima de tudo, procrastinar significa fazer más escolhas.

Se você deixa de ir na academia hoje para ir na semana que vem e então na outra e na outra, sua saúde está em jogo.

Se você perde um pouco de tempo do seu dia enquanto deveria estar estudando para o vestibular, pode não passar na Universidade que tanto sonhou.

Mas acima destas conclusões óbvias que a procrastinação nos dá, os fatores emocionais começam a se tornar cada vez mais pesados.

Deixar de fazer o que deveria ser feito causa um grande peso de culpa em nossas vidas.

Com o acúmulo destas sensações e com as correrias por deixar tudo em cima da hora, começamos a nos tornar mais estressados e o nosso sistema imunológico fica prejudicado.

O que começou com um mero “amanhã eu faço” pode se tornar a maior fonte das suas doenças, tanto físicas quanto emocionais.

Procrastinadores se tornam mais ansiosos e, por sentir que não tem feito o que deveria ser feito, sintomas mais graves podem surgir, como a própria depressão.

pexels-photo-317356

Procrastinação – erros e soluções

Já vimos algumas causas da procrastinação, mas quais os erros mais frequentes que podem ser facilmente corrigidos ainda hoje?

1. Defina prazos e que sejam curtos.

Ao invés de dizer que vai fazer algo, determine até quando tudo será feito e de quanto tempo você precisa.

Acima de tudo, defina prazos apertados, pois se houver muito tempo livre, a tendência é justamente enrolar para cumprir com o combinado.

É a famosa Lei de Parkinson: O trabalho se expande de forma a preencher o tempo disponível para a sua realização.

2. Não faça coisas demais

A maioria das pessoas quer ser produtiva com uma lista imensa de tarefas por dia.

Nas minhas consultorias eu sempre digo o inverso.

Faça o mínimo possível por dia, de 1 a 3 tarefas apenas.

Isso porque somos péssimos em tomar decisões e, quanto mais opções, mais difícil se torna a escolha.

Por onde começar? Qual é a prioridade?

No meio deste pensamento é que nos perdemos e deixamos de fazer qualquer coisa.

E eu digo sempre: entre não fazer nada e fazer algo, escolha fazer algo.

3. Não misture as trabalho e recompensa

Quando fazemos as coisas em multitarefas, acabamos alternando entre trabalho e diversão.

Você escreve um parágrafo e depois abre o Youtube. Então volta a escrever e lê um e-mail.

Isso faz com que nosso cérebro não entenda bem a relação entre trabalho e recompensa.

Quando eu era pequeno, sempre queria comer sobremesa antes da janta. Se fizesse isso, todo o prazer dos doces seria ingerido antes da alimentação mais “trabalhosa”.

É preciso educar a criança que os legumes que ela come serão proporcionais à recompensa que ela receberá depois.

startup-photos

Como parar de procrastinar em 8 passos

Passo 1 – Saiba onde quer chegar

Você precisa de um bom motivo para agir.

Se você está tentando ser produtivo apenas por obrigação, esqueça. Procure um porquê que te mova.

Talvez você ache inútil estudar equações de segundo grau, mas pensar dessa forma não vai te ajudar. A matemática, querendo ou não, te ajuda no desenvolvimento da lógica e da resolução de problemas.

Parece por alguns minutos e escreva, agora mesmo, alguns bons motivos para continuar se esforçando. Procure, crie e invente bons motivos para fazer o que deve ser feito e se conecte com isso.

Passo 2 – Perca o medo de errar

Vamos deixar isso claro: todo mundo morre de medo de errar.

A maioria das pessoas procrastina porque não quer falhar. Queremos resultados certeiros e ter sucesso logo de primeira.

Esqueça um pouco isso e pense o seguinte: ninguém começa acertando.

Toda grande obra já passou por incontáveis falhas que proporcionaram o aprendizado.

Então, se você quiser chegar em algum lugar nessa vida, lembre-se: você precisa errar e quanto mais rápido você começar, melhor.

Ao invés de começar tentando algo mirabolante, defina uma simples ação impossível de falhar para começar. Vá progredindo aos poucos e, sempre que falhar, anote o que você aprendeu com isso.

Toda falha significa um novo aprendizado.

Passo 3 – Saiba exatamente qual a sua próxima ação.

Quando não conseguir agir na prática, pare por um momento e planeje.

A ação é inimiga da incerteza!

Pense em tudo o que você deve fazer, passo a passo. Desde o ato de abrir um aplicativo ou segurar uma caneta, até o processo de fazer o que precisa ser feito.

Quando vou escrever, preparo antecipadamente todos os tópicos, questões e possíveis estruturas para iniciar o meu trabalho.

Mas é preciso se adaptar a cada situação. Hora você precisa ser impulsivo e somente agir, enquanto que outras vezes você precisa planejar e colocar os pensamentos em ordem.

No fim das contas, quanto mais definido forem as suas próximas ações, menor a dúvida que alimentará a sua procrastinação.

Passo 4 – Mensure seu trabalho

Saiba quanto tempo você trabalhou e trabalhará. Defina prazos. Use cronômetros.

Quando não colocamos limites, nosso cérebro se desmotiva acreditando que tem tempo de sobra para agir.

Não deixe que você se torne preguiçoso.

Force a sua mente a se adaptar conforme as suas exigências.

Definir prazos curtos é um grande motivador, pois você perceberá que consegue concluir as tarefas em pouco tempo, sobrando ainda muito para fazer o que quiser.

Então faça o seguinte: defina exatamente o que quer fazer e até quando irá fazer. 

Passo 5 – Defina caixinhas de tempo

Ao invés de misturar todas as suas atividades, planeje o seu dia por 5 minutos definindo blocos de tempo.

Pare de verificar e-mails ao mesmo tempo que preenche relatórios e lê as notícias. Defina uma coisa de cada vez.

Tudo deve ter o seu momento certo. Não existe problema em assistir vídeos de gatinhos no facebook. A questão é: que horas isso será algo permitido?

 

Passo 6 – Utilize uma ferramenta (baixe o e-book)

Existem muitas ferramentas de produtividade que prometem a eliminação da procrastinação.

Se elas funcionam? Tudo depende.

Existem casos e pessoas diferentes para métodos diferentes. É missão sua testar cada uma ou encontrar um profissional que saiba analisar o seu caso para indicar as melhores estratégias produtivas.

Para ajudar, eu criei um e-book com as 3 técnicas de produtividade mais utilizadas e você pode baixar gratuitamente aqui.

Passo 7 – Recompense o seu esforço

Você se lembra dos blocos de tempo?

Defina sempre uma recompensa para todo o seu esforço, sendo que a recompensa sempre deve vir DEPOIS do trabalho árduo.

Cientificamente falando, é indicado que você faça todas as tarefas mais difíceis primeiro, quando a sua força de vontade ainda estiver em alta.

No fim do seu dia, reserve algumas horas para relaxar e fazer tudo o que você gostaria, sem medo e sem culpa.

Tome este tempo de diversão como uma recompensa e não deixe de criar pequenas recompensas para tarefas mais árduas.

Uma cliente minha resolveu se presentear com uma boa xícara de café após terminar cada bloco de trabalho do seu dia. Crie suas recompensas e saiba utilizá-las no tempo certo.

Passo 8 – Aperfeiçoe o processo

Todo o processo depende de análise, tentativas, erros e adaptações.

Caso você queira ir além, conheça o meu treinamento em produtividade, um programa personalizado, individual e presencial onde eu te ajudarei em algumas semanas a resolver os seus problemas.

Os resultados positivos são muitos.

Em um caso, um trabalho que era normalmente feito em cinco dias foi terminado em quatro horas.

Em outro, uma pessoa que não conseguia criar movimento na sua vida começou a iniciar diversos projetos pessoais e aprendeu a priorizar as suas metas.

Acesse a página para saber mais:

DUPLIQUE A SUA PRODUTIVIDADE E GANHE MAIS TEMPO E DINHEIRO

Agende um Coach-Training em Produtividade presencial

Quero ter uma alta performance

Sobre o autor - newryo

Consultor-Coach de Desenvolvimento Pessoal. Interessado em novos paradigmas sociais, espiritualidade, empreendedorismo e em formas de mudar o mundo.

1 Shares
Share
Tweet
Share
Pin