newryo

Consultor-Coach de Desenvolvimento Pessoal. Interessado em novos paradigmas sociais, espiritualidade, empreendedorismo e em formas de mudar o mundo.

Inteligência Emocional

Como ser emocionalmente inabalável

Ter equilíbrio emocional é um sonho para muitos.

Imagine que você está andando na rua e alguém esbarra no seu ombro. Pior do que isso, o sujeito ainda te xinga e fala para você olhar por onde anda.

Nessa situação qualquer pessoa ficaria p#$@, certo?

É como causa e efeito. Certas situações sempre nos irritam:

  • Quando um carro te fecha
  • O computador trava e demora mil vezes mais para fazer algo simples
  • Uma pessoa é má educada e te desrespeita

E a questão é: como manter a sua paz e não se deixar levar pelo momento?

Seria incrível se existisse uma técnica para manter o nosso equilíbrio emocional. Se pudéssemos lidar com a nossa raiva, tristeza, angústia ou ansiedade.

Hoje você verá que é possível reagir de forma diferente trabalhando a sua Resiliência Emocional. Que podemos trabalhar no nível das nossas crenças para obter reações variadas aos nossos problemas.

Continue lendo para aprender mais e não se esqueça de curtir e compartilhar este artigo.

O mito da causalidade

Quando eu solto um objeto, a gravidade faz com que ele caia. A lei é infalível. Você não vê objetos voando porque a gravidade estava distraída.

Já quando analisamos uma situação negativa da nossa vida, isso não é verdade.

No exemplo anterior do esbarrão, você pode reagir de diversas formas. Pode sentir pena, rir ou ignorar. Mas em geral, criamos um padrão de comportamento que tomamos como regra. Você sente que PRECISA ficar irritado.

Quando você acredita que só existe uma reação emocional plausível, está criando e limitando a sua própria realidade.

Precisamos parar de acreditar nisso.

Nossas reações não devem ser como uma Lei de Causa e Efeito, imutáveis e padronizadas.

Falamos disso no último artigo. Situações ruins não geram emoções negativas. Apenas fomos condicionados a associar que devemos reagir mau aos problemas.

Então, quero que você entenda que as nossas reações não são uma lei inquebrável. Nossas reações são meramente associativas.

Ou seja, associamos comportamentos aos eventos da nossa vida. Aprendemos isso desde cedo ao observar e copiar as pessoas ao nosso redor.

O legal é que podemos transformar essas associações de acordo com as nossas crenças. Tudo pode ser programado.

 

Como programar as suas emoções

Eu não quero que você se torne um robô sem emoções.

É importante sentir tristeza, medo ou raiva. Cada emoção possui a sua função e são indicadores do que está acontecendo dentro de nós.

A raiva, por exemplo, traz uma energia marciana de ação, transformação e mudança.

O problema é que a maioria das pessoas é possuída pelas próprias emoções.

Aqui o que eu quero é trazer uma possibilidade de escolha. Que tal decidir como você vai se sentir ao invés de apenas ser uma pessoa reativa?

Para programar os seus padrões emocionais, é preciso entender e acreditar que as nossas reações não são uma Lei inquebrável.

Você pode passar por situações horríveis e ainda assim se sentir bem com isso. Não parece ótimo?

O processo é simples, mas requer um pouco de autoconhecimento.

Primeiro escolha como você quer se sentir.

Para viver uma vida de harmonia, é essencial viver sentimentos mais positivos no nosso cotidiano. Você está no comando! Não fique apenas reagindo aos estímulos externos.

Quais emoções e pensamentos você quer no seu dia-a-dia? Você quer se sentir empolgado e animado? Então tome nota disso.

Depois, saiba como você não quer se sentir.

Se você não quer sentir raiva, tristeza ou desânimo, então fique atento para quando estes sentimentos surgirem.

Comece a reparar nos gatilhos que iniciam estes sentimentos e quais as possibilidades de transmutar uma emoção negativa em uma positiva.

Quem te deixa irritado? Quais frases, críticas ou ofensas mais te incomodam?

Então procure entender o significado por trás destes gatilhos

Eu era o tipo de pessoa que se irritava com gente lerda andando na rua. Sempre que alguém andava devagar na minha frente, eu queria ver cabeças rolando.

Então vamos analisar isso.

Eu gosto de me sentir feliz e prefiro isso do que me sentir irritado.

As pessoas não tem obrigação de andar no meu ritmo. Elas muitas vezes estão olhando lojas. Muitas delas não conseguem andar tão rápido quanto eu.

Então eu me coloco no centro do mundo e acredito que elas precisam andar no meu ritmo? É um absurdo ficar irritado com isso.

Sempre que o gatilho acontece eu me lembro disso. Por já ter questionado esta Associação, eu posso quebrá-la.

Da mesma forma podemos lidar com o sujeito mau educado que citamos logo no começo do artigo.

Alguém que age desta forma está, no mínimo, passando por uma vida infeliz e estressante. O estado negativo é como um vírus que quer se espalhar. Caso você seja infectado, você vai acabar sendo grosso com alguém do trabalho ou na sua própria casa.

Então você precisa tomar as rédeas da sua vida e deixar de ser reativo.

É responsabilidade sua quebrar o ciclo e ter as reações emocionais que escolher para a sua vida.

Mas não vai acontecer de uma hora para outra. Será preciso falhar e refletir sobre cada gatilho emocional, assim como questionar as suas próprias crenças.

E aí? Gostou?

Me diga o que achou nos comentários e não se esqueça de compartilhar o artigo para os seus amigos e familiares.

Obrigado pela leitura!

 

 

Agora é com você

Complemente o assunto com a sua mensagem:

Compartilhar
Twittar
Pin